_________Luandabe____________Luandabel
______LuandabelaLuan_______LuandabelaLuanda
____LuandabelaLuandabel___LuandabelaLuandabel
___LuandabelaLuandabelaLuandabelaLu_______Luan
__LuandabelaLuandabelaLuandabelaLu_________Luan
_LuandabelaLuandabelaLuandabelaLuanda_______Luan
_LuandabelaLuandabelaLuandabelaLuandabela______L
LuandabelaLuandabelaLuandabelaLuandabelaLuan__Lua
LuandabelaLuandabelaLuandabelaLuandabelaLuandab_L
LuandabelaLuandabelaLuandabelaLuandabelaLuandabel
LuandabelaLuandabelaLuandabelaLuandabelaLuandabel
_LuandabelaLuandabelaLuandabelaLuandabelaLuandab
__LuandabelaLuandabelaLuandabelaLuandabelaLuand
____LuandabelaLuandabelaLuandabelaLuandabelaLu
______LuandabelaLuandabelaLuandabelaLuandab
_________LuandabelaLuandabelaLuandabelaL
____________LuandabelaLuandabelaLuand
______________LuandabelaLuandabela
_________________Luandabela♥♥♥
___________________♥♥♥♥♥♥
_____________________♥♥♥
______________________♥
__________♥Olá♥ Caríssimo♥
_____________##
____________###*
________.*#####
_______*######
_____*#######
____*########.
___*#########.
___*######*###*
__*#########*###
_*##########*__*##
_*###########___*
_#########
_*##*#####
_*_########
____#######
_____*######
______*#####*
___EU___*####*
__QUERO___*####
__VOCÊ_______*##*
__FELIZ TODO___*##
__DIA___________*##.
______________.#####. Beijos :-***
___________.##########
__________.####*__*####
Na verdade... :x
Nós todos precisamos uns dos outros, eu, por exemplo, preciso
De você... Do seu carinho e da sua amizade.
Luandabela -)(-:

quinta-feira, 8 de abril de 2010

Jararaca e outras cobras de peçonha hemotóxica


Jararaca e outras cobras de peçonha hemotóxica




Jararaca (Bothrops jararaca)
Nomes alternativos: jararaca (português, tupi e inglês), pitviper (inglês), fer-de-lance (inglês e francês)
Comprimento médio: 1,50 m.
Massa: até 2 quilos (-17),
Hábitat: Sul e Sudeste do Brasil, em todo tipo de terreno.
Inteligência Abstrata: -12; Inteligência Concreta: -5; Resistência: -½; Proteção: 0; Tamanho: -2; Saúde: +2; Mobilidade: -2½; Sentidos: +2 (Olfato: +10; Audição:–; Visão: 0, com Infravisão primitiva e Visão periférica superior); Dificuldade de treinamento: +4.
Habilidades: Força: -2; Combate: +3; Esquiva: +2½; Furtividade: +4; Corrida: +2; Caça: +3.
Manobras de combate: Mordida: (+½ / +2½);  Peçonha hemotóxica: -1
Surucucu (Lachesis muta)
Nomes alternativos: surucucu ou surucutinga (português e tupi), malha-de-fogo ou pico-de-jaca (português), bushmaster (inglês), Buschmeister (alemão), le maître de la brousse (francês)
Comprimento: até 3,70 m.
Massa: até 20 quilos (-7),
Hábitat: selva amazônica e Mata Atlântica.
Inteligência Abstrata: -12; Inteligência Concreta: -5; Resistência: +½; Proteção: 0; Tamanho: 0; Saúde: +2; Mobilidade: -2½; Sentidos: +2 (Olfato: +10; Audição:–; Visão: 0, com Infravisão primitiva e Visão periférica superior); Dificuldade de treinamento: +4.
Habilidades: Força: +3; Combate: +3; Esquiva: +2; Furtividade: +3; Corrida: +3; Caça: +3.
Manobras de combate: Mordida: (+1 / +4);  Peçonha hemotóxica: -½.


Características
As jararacas e surucucus possuem fosseta loreal, orifício localizado entre o olho e a narina que atua como uma visão infravermelha, capaz de perceber variações de calor num raio de até 5m e detectar a presença, tamanho, distância e movimentos de animais. Essa “visão infravermelha” é, porém, muito imprecisa e pode levar a cobra a confundir uma mão ou pé humano com alguma de suas presas habituais (tais como pássaros e pequenos mamíferos). Seus principais predadores naturais são as emas, seriemas, gaviões, corujas, guarás, gambás e a cobra muçurana.

Jararaca
A jararaca verdadeira, Bothrops jararaca, é característica do Sul e do Sudeste do Brasil, mas há outras 30 espécies do gênero Bothrops, que podem ser encontradas em particularmente qualquer parte da América do Sul e Central, exceto desertos e montanhas altas – jararaca ilhoa, jararaca pintada, jararaca-do-rabo-branco, jararacuçu, urutu ou cruzeira, cotiara, cotiarinha, caiçaca, ouricana, malha-de-sapo, patrona, surucucurana, barba-amarela, combóia, caiçara, boca de sapo etc. Habitam tanto os campos quanto os bosques, mas, sobretudo, os campos cultivados, onde existem grande número de roedores, que constituem sua alimentação.
Quintais, plantações e terrenos que acumulam lixo e vegetais podres atraem ratos, e ratos atraem cobras. Desmatamentos e queimadas também podem provocar mudanças nos hábitos dos animais, que acabam buscando refúgio em celeiros, paióis e dentro das casas. É mais fácil ser picado por uma jararaca em um sítio mal cuidado ou dentro de uma cabana cheia de ratos do que na selva.

Surucucu
A surucucu é a terceira serpente venenosa do mundo em comprimento (depois da naja real e da mamba negra), mas a maior em peso. Suas presas inoculadoras de veneno têm 38 mm de comprimento. Alimenta-se de pequenos mamíferos e roedores, proporcionais a seu tamanho, tais como filhotes de paca e de cotia. Uma crendice diz que ela “também pica com a cauda”, mas não é verdade. Entretanto, sua cauda termina em uma vértebra córnea semelhante a um espinho (e que lembra a cauda de um escorpião) e suas escamas finais são arrepiadas. Como a cascavel, faz ruído com a cauda deliberadamente, agitando-a quando passa no meio dos arbustos, para advertir animais de grande porte de que está passando e não quer ser incomodada. O ruído pode ser reconhecido com um teste de Naturalismo, Zoologia, Herpetologia ou Sobrevivência (na selva) com dificuldade +3.


Regras para picadas e tratamento
O Mestre pode decidir que existe risco de uma picada sempre que um personagem fizer algo arriscado como, por exemplo:
– andar em locais que há cobras sem botas de cano alto.
– calçar botas sem verificar se não há cobras (ou aranhas, ou escorpiões) escondidos.
– enfiar as mãos em tocas, troncos ocos, cupinzeiros ou outros locais que possam abrigar animais peçonhentos.
– atender às necessidades fisiológicas em lugares como esses.
– manipular intencionalmente cobras que possam ser peçonhentas (a menos que se seja um especialista treinado – teste de Habilidade em Herpetologia ou Naturalismo com dificuldade +1). Mesmo serpentes mortas há horas, como também suas cabeças decapitadas, podem, por reflexo, picar e injetar veneno. Presas extraídas voltam a crescer. Depois de usadas, as glândulas de peçonha levam 15 dias para se completarem
– subir em árvores ou colher frutos na selva, pois algumas espécies de jararacas caçadoras de pássaros (Bothrops insularis, Bothrops bilineata etc.) são arbóreas. Também são possíveis, mas raras, picadas na região da cabeça, pescoço e ombro, com o indivíduo em pé.
O personagem tem direito a um teste de Percepção contra a Furtividade da cobra, se estiver atento (a menos, é claro, que mexa com ela deliberadamente: neste caso é o Combate da cobra contra a Esquiva do personagem). Se a vítima é picada em um braço ou perna, depois de seis horas sofre nesse membro o dano listado para a picada da espécie de cobra que o atingiu (+2 para uma jararaca, +4 para a surucucu), sofre dores intensas e fica com o membro inchado e proporcionalmente incapacitado por três dias. Depois, deve fazer um teste de Saúde. Para determinar o grau de dificuldade do teste, jogue a Peçonha dessa espécie de cobra contra a Resistência da vítima. Se falhar, os sintomas pioram e a vítima perde um grau de Saúde. A cada três dias, o teste, sempre com o mesmo grau de dificuldade, deve ser repetido: na terceira falha, ou na primeira falha crítica, o vítima sofre gangrena irreversível e o membro precisa ser amputado. Uma falha por mais de dois graus, em qualquer outro teste, também significa gangrena irreversível.
Se a vítima for picada no tronco ou na cabeça, o caso é mais sério. A pessoa fica completamente incapacitada (não apenas no membro) e os testes são feitos a cada 24 horas. Três falhas, ou uma falha por mais de dois graus, significam morte.
Em ambos os casos, qualquer sucesso significa que a vítima começa a se recuperar e não precisa fazer mais testes, mas a cura completa demora tantos dias quantos forem necessários para curar um ferimento normal da mesma gravidade (ver Regras Detalhadas para Lesões) – tipicamente, 10 dias a 3 meses.
Para este tipo de peçonha, colocar bandagens ou torniquetes no membro atingido é contra-indicado: pode agravar o quadro de gangrena, principalmente quando se usa um torniquete apertado. Fazer incisões e sugar o veneno é ainda pior: pode introduzir bactérias na ferida, danificar vasos e também agravar a gangrena. Além disso, pode provocar edemas na boca de quem suga, a ponto de criar risco de sufocação.
A Habilidade Pronto-socorro só é útil para aplicar anti-histamínicos, analgésicos e antibióticos que combatem os sintomas e a infecção (o que aumenta em meio grau a Saúde para fins de testes), a menos que se disponha de soro antiofídico. Para a aplicação correta do soro, a dificuldade é +3. Para efeito dos testes de sobrevivência, um tratamento com dez doses (uma a cada 30 minutos) aumenta em um grau a Saúde ou Imunidade a veneno se o soro for do tipo polivalente, um grau e meio para um soro para um gênero de cobras (botrópico, laquético etc.) e dois graus para um soro específico da espécie. Entretanto, estes dois últimos tipos de soro só podem ser aplicados se o gênero (no primeiro caso) ou a espécie da cobra (no segundo) puderem ser identificadas com certeza (teste Zoologia, Herpetologia ou Naturalismo, com dificuldade +3, se a cobra puder ser encontrada). Se a primeira aplicação demora mais de seis horas, a eficácia de qualquer tipo de soro cai em meio grau.
A Habilidade Medicina também pode ser usada para aplicar o soro antiofídico – ou para amputar o membro atingido, se a picada for grave e não houver soro disponível, ou este não se mostrar eficaz. A dificuldade de diagnosticar a gravidade da picada é +2: se o personagem for bem sucedido nesse diagnóstico, o Mestre lhe dirá a diferença exata entre a Saúde do personagem picado e a Dificuldade do teste de sobrevivência e o médico decidirá se a amputação é necessária.


Sintomas
Tanto a peçonha botrópica quanto a laquética são do tipo hemotóxico, cujos efeitos podem ser dramáticos e exigir a amputação do membro atingido, para evitar a morte por septicemia. Mesmo quando isso não ocorre, cicatrizes e seqüelas permanentes são prováveis.
O tipo mais comum provoca o equivalente a uma pré-digestão da carne da vítima: os vasos sangüíneos perdem sua capacidade de reter o sangue e a capacidade de coagulação e o sistema imunológico são anulados. Ocorre hemorragia dos capilares, a carne se enche de líquidos e é destruída por bactérias (gangrena). Pode haver sangue na urina devido a hemorragias internas nos rins e, em casos graves, morte por falência renal (a peçonha de algumas víboras, porém, têm o efeito contrário: provocam a coagulação do sangue e provocar tromboses fatais). A picada da surucucu também costuma provocar diarréia.
No local da picada, há dor intensa, edema, bolhas, inchaço e necrose dos tecidos. O paciente sofre também de hemorragia pelas mucosas (estômago, intestino, rim, boca, ouvido, útero), lesão dos tecidos (gangrena), taquicardia e alterações nervosas. A mortalidade das picadas de jararaca é de 8% sem soro antiofídico e 0,7% com o soro. A recuperação total de uma picada pode demorar meses. Os casos mais graves podem deixar como seqüelas a perda funcional ou mesmo anatômica do membro atingido.
A morte, quando ocorre, geralmente leva dias. Algumas pessoas, porém, entram em estado de choque ou têm sintomas de ansiedade que podem ser confundidos com o efeito de peçonhas neurotóxicas e morrerem em poucos minutos de causas puramente psicossomáticas, principalmente em regiões onde há lendas e tradições exageradas sobre cobras. É o que acontece com a chamada “víbora de cem passos” da Ásia – cujas vítimas supostamente morrem antes de caminhar essa distância – e com a víbora serrilhada, encontrada na Ásia e África. Existe mesmo uma lenda asiática sobre uma “víbora de dois passos”.


Espécies afins
O gênero Bothrops, cuja peçonha é chamado de botrópica, responde pela grande maioria dos acidentes com cobras venenosas no Brasil. Inclui a jararaca (Bothrops jararaca), a jararacuçu (Bothrops jararacussu), a urutu (Bothrops alternatus), a cotiara (Bothrops fonsecai) e a caiçaca (Bothrops moojeni), que existem em todo o Brasil e em todo tipo de terreno e vegetação.
Outro gênero de cobras venenosas é o Lachesis, cuja peçonha é chamado de laquética. A espécie mais comum é a surucucu ou pico-de-jaca (Lachesis muta), encontrada na Amazônia e na Mata Atlântica, do Rio de Janeiro até a Paraíba. Cobras venenosas de maior porte, como a surucucu e a urutu, têm uma glândula de peçonha mais avantajada e costumam ser mais agressivas.
Fora do Brasil, outras cobras com peçonhas semelhantes (mas que também exigem antídotos específicos) incluem a maioria das víboras (família Viperidae) encontradas na Europa, Ásia e América do Norte, as cascavéis, mocassins e copperheads norte-americanas, a habu, encontrada na Ásia (principalmente China) e as africanas boomslang e twig snake.
Na maioria, as serpentes com peçonha hemotóxica são agressivas e possuem presas longas e muito eficazes: 70% a 80% das picadas inoculam a peçonha. A picada da maioria destas espécies raramente mata um adulto saudável, a menos que a serpente consiga dar várias picadas ou atingir uma veia. Algumas delas, porém, são particularmente mortais.
A maioria das cobras pica apenas uma vez, a menos que seja perseguida ou atacada. O alcance do bote das cobras geralmente equivale à metade do seu comprimento. Todas estas cobras são demasiado lentas para alcançar um ser humano que corra delas.

Serpentes com peçonha hemotóxica
nome português
nome inglês
nome científico
distribuição
comprimento
máximo (m)
Dano
Peçonha
Áspide européia (2)
European asp
Vipera aspis
Alemanha, França, Espanha, Itália, Suíça
0,75
2
-2½
Boomslang (3)
Boomslang
Dispholidus typus
África do Sul
2,13
-1
Cabeça-de-cobre
Copperhead
Agkistrodon contortrix
Leste dos EUA e noroeste do México
1,30
2
-3
Caiçaca ou Jararaca do norte
Fer-de-lance
Bothrops atrox
Amazônia, América Central e ilhas do Caribe
1,39
4
+1
Cascavel anã
Pygmy rattlesnake
Sistrurus miliarius
Centro-oeste dos EUA e Grandes Lagos
0,80
2
-2½
Cascavel chifruda
Sidewinder
Crotalus cerastes
Deserto de Mojave
0,82
2
-2
Cascavel da floresta
Timber rattlesnake
Crotalus horridus
Florestas do Leste dos EUA
1,89
Cascavel das pradarias
Western rattlesnake
Crotalus viridis
Oeste norte-americano e Norte do México
1,62
Cascavel das rochas
Rock rattlesnake
Crotalus lepidus
México e Sudoeste dos EUA
0,83
2
-2
Cascavel de pintas gêmeas
Twin-spoted rattlesnake
Crotalus pricei
México e Sudoeste dos EUA
0,65
2
-3
Cascavel diamantina do leste
Eastern diamondback rattlesnake
Crotalus adamanteus
Sudeste dos EUA
2,44
Cascavel diamantina do oeste
Western diamondback rattlesnake
Crotalus atrox
Sudoeste dos EUA e norte do México
2,13
0
Cascavel diamantina vermelha
Red diamond rattlesnake
Crotalus ruber
Califórnia e Baixa Califórnia
1,60
Cascavel-tigre
Tiger rattlesnake
Crotalus tigris
Arizona e Noroeste do México
0,90
0
Cobra-cipó africana (3)
African birdsnake
Thelotornis kirtlandii
África Oriental e África do Sul
1,52
-1
Habu
Okinawa habu
Trimeresurus flavoviridis
Okinawa e Kyushu, Japão
1,50
-3½
Jararaca
Jararaca
Bothrops jararaca
Sul e Sudeste do Brasil
1,50
-1
Jararaca da floresta nebulosa
Godman’s pitviper
Pothidium godmani
América Central
1,00
-4
Jararaca de nariz de porco (2)
Rainforest hognosed pitviper
Porthidium nasutum
América Central
1,00
-3
Jararaca de nariz de porco (2)
Slender hognosed pitviper
Porthidium ophryomegas
América Central
0,50
-3½
Jararaca de Picados
Picados pitviper
Porthidium picadoi
Costa Rica e Panamá
1,00
-1
Jararaca-ilhoa
Island jararaca
Bothrops insularis
Ilha da Queimada Grande, São Paulo
0,80
3
Jararaca saltadora
Jumping pitviper
Porthidium nummifer
América Central
1,00
-1½
Jararaca, Barba-amarela
Terciopelo
Bothrops asper
Amazônia, América Central, Equador
1,60
3
Jararacuçu
Jararacussu
Bothrops jararacussu
Selvas da América do Sul
2,00
+1
Mamushi
Mamushi
Agkistrodon blomhffii
Sul dos EUA e Grandes Lagos
1,20
-3½
Massasauga
Massasauga
Sistrurus catenatus
Centro-oeste dos EUA e Grandes Lagos
1,00
2
-2½
Mocassim d'água
Cottonmouth
Agkistrodon piscivorus
correntes de água e lagos do leste dos EUA
1,89
2
-1
Mocassim malaia
Malayan pitviper
Callosellasma rhodostoma
Sudeste Asiático e Indonésia
1,00
2
-1
Mocassim mexicana
Cantil
Agkistrodon bilineatus
México e América Central
0,90
2
Mocassim verde
White-lipped tree pitviper
Trimeresurus albolabris
Sul da Ásia e Indonésia
1,00
2
-1½
Surucucu
Bushmaster
Lachesis muta
Amazônia
3,70
4
Urutu ou cruzeira
Urutu
Bothrops alternatus
Rios e alagados do Brasil
1,00
-1
Víbora aríete
Puffadder
Bitis arietans
África ao sul do Saara
1,90
4
+2
Víbora chifruda
Desert horned viper
Cerastes cerastes
Norte da África, Israel e Arábia
0,60
Víbora das palmeiras (2)
Speckled palm pitviper
Bothriechis nigroviridis
América Central
0,80
-3
Víbora das palmeiras (2)
Side-striped palm pitviper
Bothriechis lateralis
Nicarágua, Costa Rica e Panamá
0,80
-3½
Víbora de chifre no nariz
Nose-horned viper
Vipera ammodytes
Itália, Áustria, Hungria, Bálcãs, Turquia, Síria
0,90
-1½
Víbora de nariz chato (2)
Blunt-nosed viper
Viperina lebetina
Chipre, n. da África, Turquia, Oriente Médio
1,80
Víbora de Orsini (2)
Orsini’s viper
Vipera ursinii
Europa Central e Oriental e Ásia Central
0,60
-4½
Víbora de Schlegel (2)
Eyelash palm pitviper
Bothriechis schlegelii
do México ao Equador e Venezuela
0,80
2
-2½
Víbora de Wagler
Wagler’s pitviper
Tropidolaemus wagleri
Tailândia, Malásia, Indonésia e Filipinas
1,00
Víbora dos cem passos (1)
Hundred-pace pitviper
Deinagkistrodon acutus
Sul da China, Vietnã, Formosa
1,20
-1½
Víbora européia comum
Common European viper
Vipera berus
Europa, Ásia Central e Mongólia
0,90
0
Víbora noturna comum (4)
Common nightadder
Causus rhombeatus
Namíbia, Botswana e África do Sul
0,93
2
-2
Víbora serrilhada (1)
Saw-scaled viper
Echis carinatus
África, Oriente Médio, Índia e Sri Lanka
0,72
4
Víbora turca (2)
Ottoman viper
Vipera xanthina
Grécia, Turquia, Armênia e noroeste do Irã
1,20
-1
Víbora-rinoceronte
Rhinoceros viper
Bitis nasicornis
África Ocidental e Central
1,20
+2
Víbora-tapete (2)
Carpet viper
Echis coloratus
África, Oriente Médio, Índia e Sri Lanka
0,60
Víbora-toupeira do norte
Northern moleviper
Atractaspis microlepidota
Israel, Palestina e Jordânia
1,07
2
-2
(1) Tem a reputação – exagerada, mas psicossomaticamente perigosa – de matar muito rapidamente
(2) Serpentes tímidas. Normalmente não picam, a menos que sejam provocadas ou manipuladas sem cuidado.
(3) Serpentes arbóreas africanas com presas no fundo da boca. Só picam pessoas que as manipulam descuidadamente.
(4) Agressiva à noite, mas letárgica durante o dia.


O Brasil dos outros 500
No Brasil dos outros 500, como no Brasil real, as várias espécies de jararacas são encontradas em praticamente toda parte e as surucucus na selva amazônica e na mata atlântica.
Também são encontradas em zoológicos e criadas no Instituto Butantã de Piratininga. Ali se produz um antídoto para seu veneno que pode ser encontrado em hospitais e postos de saúde das zonas rurais infestadas, disponível para tratamento gratuito a qualquer cidadão do Império que dele necessite.
Também pode ser adquirido para ser levado por exploradores, em forma liofilizada (em pó), a um preço em torno de 3$000 a dose (são necessárias dez doses, em média, para um tratamento completo – 30$000, dificuldade de aquisição 5). Estão geralmente disponíveis os seguintes tipos para serpentes de veneno hemotóxico:
  • Anticrotálico/Botrópico: contra venenos de cascavel e jararaca, é chamado de soro antiofídico ou polivalente e é o mais usado, mas não é realmente universal, nem mesmo apenas em relação a cobras brasileiras – em particular, é inútil contra o veneno da coral;
  • Antibotrópico/Laquésico: contra venenos de jararaca e surucucu, é usado principalmente na Amazônia, onde os dois tipos de serpente são comuns e difíceis de distinguir entre si;
  • Antibotrópico: contra o veneno das várias espécies de jararaca (gênero Bothrops);
  • Antilaquésico: contra o veneno das várias espécies de surucucu (gênero Lachesis);
Outros tipos de soro estão disponíveis nos vice-reinos imperiais na África e Ásia, onde são encontrados outros gêneros de serpentes com venenos hemotóxicos.


Atlântida
No universo de Atlântida, há dezenas de espécies de serpentes com características semelhantes às da jararaca e surucucu. Não há soros antiofídicos, mas as picadas de cobra podem ser facilmente tratadas com magia e poderes psíquicos. Em compensação, as lendas sobre a víbora de cem passos são verdadeiras: a vítima realmente morre em dois minutos, de hemorragia interna massiva, a menos que seja imediatamente aplicado um feitiço poderoso.


Solidariedade Galáctica
No Universo da Solidariedade Galáctica, as cobras venenosas continuam existindo na Terra com a mesma distribuição do Brasil dos outros 500, mas os novihumanos tornaram-se imunes a seus venenos.



Glitter Photos

Nenhum comentário:

Counter

♥Luandabela Headline Animator

Postagens populares

Sexualidade

Sexualidade
Bar Aurora & Boteco Ferraz

Subscribe Now: Feed Icon

va