_________Luandabe____________Luandabel
______LuandabelaLuan_______LuandabelaLuanda
____LuandabelaLuandabel___LuandabelaLuandabel
___LuandabelaLuandabelaLuandabelaLu_______Luan
__LuandabelaLuandabelaLuandabelaLu_________Luan
_LuandabelaLuandabelaLuandabelaLuanda_______Luan
_LuandabelaLuandabelaLuandabelaLuandabela______L
LuandabelaLuandabelaLuandabelaLuandabelaLuan__Lua
LuandabelaLuandabelaLuandabelaLuandabelaLuandab_L
LuandabelaLuandabelaLuandabelaLuandabelaLuandabel
LuandabelaLuandabelaLuandabelaLuandabelaLuandabel
_LuandabelaLuandabelaLuandabelaLuandabelaLuandab
__LuandabelaLuandabelaLuandabelaLuandabelaLuand
____LuandabelaLuandabelaLuandabelaLuandabelaLu
______LuandabelaLuandabelaLuandabelaLuandab
_________LuandabelaLuandabelaLuandabelaL
____________LuandabelaLuandabelaLuand
______________LuandabelaLuandabela
_________________Luandabela♥♥♥
___________________♥♥♥♥♥♥
_____________________♥♥♥
______________________♥
__________♥Olá♥ Caríssimo♥
_____________##
____________###*
________.*#####
_______*######
_____*#######
____*########.
___*#########.
___*######*###*
__*#########*###
_*##########*__*##
_*###########___*
_#########
_*##*#####
_*_########
____#######
_____*######
______*#####*
___EU___*####*
__QUERO___*####
__VOCÊ_______*##*
__FELIZ TODO___*##
__DIA___________*##.
______________.#####. Beijos :-***
___________.##########
__________.####*__*####
Na verdade... :x
Nós todos precisamos uns dos outros, eu, por exemplo, preciso
De você... Do seu carinho e da sua amizade.
Luandabela -)(-:

sábado, 5 de março de 2011

Os 7 pilares da autoestima


Os 7 pilares da autoestima

Quer saber o que faz uma mulher vencer todos os obstáculos do caminho e alcançar seus sonhos? Amor-próprio. Esse é o ímã que atrai sorte, fortuna, amor e mil oportunidades de exercitar seus talentos. Lições para construir e proteger o seu maior aliado.
Iracy Paulina
Lucy voltou para os bancos da universidade aos 40 anos depois de enfrentar um furacão nos negócios. Fernanda entrou na terapia para alinhar cabeça e coração e resolver o impasse entre carreira e família – ficou com os dois. Silvia trocou um homem casado que era uma fria por um namorado que a faz feliz. Elizete fez dieta, mudou de trabalho e encontrou um novo amor após um divórcio e uma séria crise de idade. Todas elas (as histórias completas você encontra nesta reportagem) derrotaram a baixa autoestima. Se as mulheres conhecem bem essa guerra, por que algumas voltam das batalhas amarguradas enquanto outras retornam vitoriosas e cheias de aventuras para contar? A resposta é: autoestima. Ela pode sofrer ataques, mas, se for sólida, conseguiremos nos manter em equilíbrio. Apresentamos os sete pilares que sustentam essa força e os conselhos das guerreiras que souberam construí-la ou resgatá-la. Você também pode.


1 Família

Autoestima se aprende em casa. Se os pais (ou os adultos que cumprem essa função) nos amam, respeitam e acolhem nosso modo de ser em vez de nos criticar e desejar que sejamos diferentes, a tendência é crescermos com uma autoimagem positiva. Segundo a psicóloga Heloisa Fleury, coordenadora do Departamento de Psicologia do Instituto Sedes Sapientiae, em São Paulo, é possível identificar o legado do amor-próprio na mulher que sabe cuidar bem de si mesma, fazendo escolhas voltadas para o seu bemestar. Na visão da especialista, quando as necessidades básicas da criança – alimento, atenção, carinho, educação voltada para o convívio e a possibilidade de se expressar sem medo – não são atendidas, mais tarde podem surgir ansiedade, depressão, sentimentos de desvalia, dificuldade em manter relações. A autoestima fica destruída. Na vida adulta, dá para superar algumas feridas da infância e reconstruir o amor-próprio, mas isso exige empenho e terapia. “A tendência é que as marcas do passado – e as ideias a respeito de si e do mundo – tornem-se ‘verdades’ para o resto da vida”, diz a psicóloga. De todo modo, com o tempo a família de origem deixa de ser a única referência. Amigos, professores, parceiros podem nos incentivar a reconhecer nosso potencial, reformulando velhas crenças. Questione- as sempre. E, se sente falta de alguma aptidão, por que não tentar aprendê-la? Cuidado com a autocrítica exagerada. Seja mais generosa, habitue-se a conversar consigo mesma. Assim, poderá aceitar- se mais em vez de se recriminar.


2 Autoconhecimento

Só quem se conhece bem consegue construir uma autoestima elevada. Mas, afinal, o que é se conhecer bem? É investigar, com coragem, seus defeitos e, sem modéstia, suas qualidades, tornando-se sua melhor amiga. “A partir daí, resta saber aceitar ou tentar minimizar o que não pode ser mudado”, diz a psicodramatista Adelsa Cunha, presidente da Federação Brasileira de Psicodrama. É o que defende também a coach Regina Silva, da consultoria Gyrasser, em São Paulo. “Sem uma noção clara de nosso potencial e limite, ficamos muito vulneráveis às opiniões negativas. Baqueamos diante de conflitos e situações que nos desqualificam”, explica ela. Quebre essa lógica descobrindo estratégias para potencializar os pontos fortes e neutralizar os fracos. Para mapeá-los, tente este exercício: “Anote os comportamentos que a incomodam, verifique o que os provoca e busque formas de desativá-los”, sugere Regina. Por exemplo, se você se boicota adiando coisas importantes e quer mudar isso, verifique com que se distrai nesse momento e quais desculpas utiliza para os atrasos. Marque um prazo curto para realizar determinada tarefa – seja uma atividade do trabalho ou a visita ao dentista. O que importa é criar situações em que fique evidente se você conseguiu ou não atingir as metas determinadas. A cada pequena conquista, a satisfação cresce e a autopercepção aumenta. Aos poucos ganhará clareza sobre suas motivações íntimas, o que vai ajuda- lá a se libertar de comportamentos desfavoráveis e a adotar outros, mais alinhados com seus sonhos.


3 Inteligência

Autoestima também é uma questão de sentir-se capaz. Você a exercita toda vez que diz: “Eu posso”. Faça mentalmente um inventário das suas boas ideias. Vale aquele relatório do trabalho que foi elogiado pelo chefe, a solução que você deu para um conflito familiar ou a capa nova que bolou para o sofá, pois a inteligência se manifesta nas grandes e nas pequenas coisas que fazemos. Sentir-se autônoma é prodigioso. “Se eu acredito que consigo dar conta, avanço, me aventuro mais e inevitavelmente vou aprender novidades, inclusive sobre mim mesma, reforçando o circuito da confiança”, afirma Adelsa Cunha.
A inteligência tem a ver com a capacidade de encontrar saídas para problemas cotidianos. Uma forma de potencializar essa força é observar os efeitos que ela causa ao nosso redor. Acostumadas com os próprios talentos, nem sempre os valorizamos na medida certa. Mas de repente alguém que olha de fora ou que foi beneficiado por uma iniciativa nossa aponta como essa criatividade destravou alguma encrenca do dia a dia ou aliviou as tensões de uma equipe. A inteligência aplicada ao cotidiano é muito produtiva, dá um toque de leveza e otimismo e mantém você com os pés no chão – e isso é importante. Porque quem abusa da autoconfiança pode dar passos maiores do que as pernas ou cair na arrogância. Autoestima é fundamental, mas não pode ser confundida com narcisismo ou egoísmo. Gostar de si combina muito com gostar dos outros, trocar ideias em vez de tentar impor as suas, enfim, usar to dos os dons a favor do bem comum.

4 Beleza

O segredo é aceitar quem você é, cuidar-se com carinho e ter um olhar generoso para seu corpo e sua história. Parece simples, mas para muitas mulheres a aparência é o ponto vulnerável da autoestima. O psicoterapeuta paulista Marco Antonio De Tommaso, que atende as agências de modelo Elite e L’Equipe, perguntou a 140 modelos que notas dariam, de 0 a 10, para seu rosto e corpo. A média foi 7,2 para o rosto e 6,3 para o corpo. “A esmagadora maioria, 92%, faria plástica se pudesse”, conta o psicólogo. Essa insatisfação, segundo ele, resulta de um padrão de beleza imposto por nossa cultura. Tommaso explica que a beleza pode ser definida de três modos: 1. ser bonita, que tem a ver com os traços do biótipo (formato dos olhos, espessura dos lábios, medidas proporcionais etc.), o que depende de genética e sorte; 2. estar bonita, que demanda produção (ginástica, alimentação, roupas, acessórios etc.), e isso exige nosso empenho; 3. sentir-se bonita, que está ligado à autoestima. Esta última é, segundo ele, a mais importante. “Às vezes, achamos uma pessoa linda, mas, conforme conversamos com ela, seu brilho desaparece. O contrário também acontece: aquela mulher que à primeira vista não chama a atenção vai nos cativando e se tornando extremamente atraente quando a conhecemos um pouco mais”, diz Tommaso. O segredo dela? Uma autoestima imbatível. Para conquistar isso, é preciso libertar-se dos padrões e desenvolver sua identidade estética. “Descubra aquilo que a torna única e aprenda a valorizar seus diferenciais”, aconselha o psicólogo


5 Amigos

Eles confirmam que somos companhias interessantes toda vez que nos chamam para sair. Pelos olhos e comentários dos amigos, lembramos que somos engraçadas, que nosso ombro é valioso... enfim, que somos importantes. Para a psicodramatista Adelsa Cunha, o olhar carinhoso do outro é fundamental para a nossa autoimagem. Quem cultiva essa rede fraterna cria um ambiente propício às trocas afetivas, que fazem florescer o amor-próprio. Sem contar que uma amiga de verdade é um refúgio para as horas de dor, medo, tédio e tudo o que pode abalar nossa fé na vida ou em nós. “A presença solidária dos amigos funciona como um sinal de que merecemos ser amados”, diz Adelsa. Nem sempre nossos confidentes têm respostas para nossos dilemas. “M as o simples fato de oferecerem atenção produz fôlego novo”, afirma a terapeuta Fátima Cardoso, de São Paulo. E essa via é de mão dupla. Pode notar: quando nos sentimos meio desanimadas, basta uma amiga pedir nossa opinião para nos recompormos e nos distanciarmos de nossos problemas. Isso é bom para as duas. Amigos trazem novas perspectivas, enriquecendo nossa visão do mundo. Ficamos mais interessantes por causa deles. Basta lembrar o cinema, as conversas, as risadas, as viagens e até as brigas que temos com eles. Então, pense duas vezes antes de se fechar em casa quando o ego estiver meio ferido. O recolhimento às vezes é necessário, mas não o isolamento. Partilhar as emoções é um modo de digerir o que nos acontece. E nada como bons amigos para nos consolar ou nos fazer rir dos próprios dramas.




6 Amor

O afeto acende a nossa luz e nos oferece uma chance de evoluir. “Nos momentos em que estamos inundados de amor, tudo brilha. Melhoram a pele, o humor e o pique”, descreve a psicóloga Fátima Cardoso. Mas nem todos os relacionamentos cumprem esse papel. Quem nunca ouviu falar de amores demolidores, que só jogam a gente para baixo?
Um alerta: a principal característica de toda relação destrutiva é a tentativa de um dos amantes de transformar o outro no que ele quer. “A tenção quando um namorado vive criticando suas iniciativas, seus amigos e seu jeito de ser”, observa Adelsa Cunha. E, se é você que não vê nada de bom no outro, por que permanece ao lado dele? “Se esse romance funciona como alimento ou ameaça, isso depende dos dois envolvidos, pois a relação é complementar”, explica Adelsa. Ficar reclamando dos homens não resolve. A questão é: por que você escolheu esse parceiro e, se já descobriu que ele é uma fria, o que está fazendo aí? Tenha coragem de botar o dedo na ferida, pois a mulher com autoestima baixa costuma se sabotar sem perceber. “Ela se contenta com menos”, afirma a psicodramatista. Quem se acha feia e pouco inteligente, por exemplo, poderá investir em relações complicadas só para provar que com ela nada dá certo. Uma terapia ajuda a desatar essa neura. Para Fátima, os amores construtivos surgem quando reconhecemos o nosso valor e também o do homem escolhido, admitindo as diferenças sem que isso desqualifique ninguém. Ao nos tornarmos boas companhias, aumentamos a chance de ser bem-amadas.


7 Reconhecimento

Não dá para negar: uma lustrada no ego é fermento para a autoestima. “Quando o que fazemos é valorizado pelos outros, isso nos fortalece. Vivemos em comunidade, e entender essa interdependência nos torna mais maduros”, afirma a consultora em relações humanas Teresa Campos Salles, da FranklinCovey Brasil, empresa de desenvolvimento pessoal, em São Paulo. Segundo ela, o reconhecimento promove um ciclo virtuoso. “A gente pensa: ‘Faço benfeito, sou reconhecida. Vou tentar fazer melhor para ser reconhecida novamente’. Só não vale ficar dependente de elogios. Nossas ações devem ser aprovadas, antes de tudo, por nossa consciência.” O reconhecimento que revigora é aquele que nos mantém conectadas ao que é importante também para nós, não só para os outros. “Uma excelente vendedora pode se tornar uma gerente de vendas apenas razoável, pois nesse cargo terá outras responsabilidades e será cobrada por elas. É possível que até ganhe mais, mas vai desviar o foco do que gosta de fazer e acabará desmotivada”, explica Teresa. Casa haja um descompasso entre os seus esforços e os resultados obtidos, analise se você está no lugar certo. E se, mesmo recebendo elogios, seu ânimo cai, redobre a atenção. “Pode ser um indício de que estamos nos desligando de nossa essência”, aponta a consultora. Quando o coração apertar, escute-o. Mude rotas se necessário.Tente libertar-se de ideais de sucesso que não são seus e reconheça os próprios desejos. Admirar-se é tão importante quanto ser admirada.


Entrei para a terapia

Hoje ela está de bem consigo mesma e credita isso à terapia, que fez durante dez anos. Antes de se tratar, a fonoaudióloga Fernanda Egydio, 34 anos, casada, mãe de um garoto de 6 anos e de uma menina de 4, tinha “um desconforto permanente”. A chegada dos filhos foi o momento mais agudo dessa angústia. Fernanda mergulhou num dilema: estudou para ter uma carreira, mas queria estar perto das crianças. Acatou a sugestão do marido e parou de trabalhar. Em pouco tempo, a rotina doméstica derrubou sua autoestima. Nessa fase, o tratamento terapêutico foi fundamental. “Sobretudo porque me fez entender que o que eu pensava, o que eu sentia e o que eu fazia não estavam combinando”, conta. Racionalmente, ela queria ser uma mulher independente e produtiva. Mas sentia medo de desapontar o marido e culpa por não estar 24 horas presente no cotidiano dos filhos. “Minha grande demanda para a terapia era equilibrar três esferas: pensar, sentir e agir”, diz. Conseguiu. Aos poucos, organizou-se e passou a delegar tarefas em casa, como encarregar a empregada de fazer as compras de mercado ou deixar a babá levar a caçula à aula de natação. “Comecei a abrir espaço para mim mesma na agenda da casa e dos filhos”, conta. Os planos incluíam viajar a sós com o marido. Para tranquilizar os pequenos durante essa ausência, Fernanda fazia o que batizou de “paninhos da saudade”, bordados com o retrato do casal e palavras carinhosas. As amigas adoraram e passaram a fazer encomendas. Ela decidiu retornar ao mercado abrindo uma loja, a Maria Paninho, com esse e outros mimos que evocam a vida em família.
CONSELHOS DA FERNANDA 1. “Primeiro é preciso querer mudar. Se o desejo for genuíno, a terapia pode ajudar a descobrir o caminho para atingir a meta.” 2. Seja verdadeira consigo mesma. Se não está legal, assuma. Olhe de frente as próprias fraquezas e deficiências porque isso fortalece. Você vencerá o medo de se arriscar a fazer algo diferente.

Virei o jogo no trabalho

Lucy Duro Matos Andrade Silva, 50 anos, vivia uma situação profissional confortável nove anos atrás. Atuava como distribuidora de uma firma de cosméticos. Tinha acabado de montar um espaço de 100 metros quadrados e os negócios iam bem. Mas a empresa mudou algumas regras, elas não deram muito certo e Lucy se viu obrigada a encerrar as atividades. “Foi um baque. Tinha investido tudo naquele empreendimento e, de repente, precisava recomeçar numa idade em que o mercado de trabalho já não está mais tão favorável.” Tirou forças de sua paixão pela educação. Voltou a estudar, fez uma nova graduação em pedagogia e vários cursos de pós-graduação e especializações na área de gestão de pessoas. Acabou montando uma consultoria em desenvolvimento profissional e estreou na vida acadêmica dando aulas em duas universidades. Chegou mesmo a lançar um livro de psicologia aplicada, Acordou com o Pé Esquerdo? (ed. Evoluir), para partilhar os ensinamentos que a ajudaram a dar essa grande virada, que, claro, botou o amor-próprio lá em cima.
CONSELHOS DE LUCY 1. Se passar por um revés na carreira, não negue seu sofrimento. Você tem todo o direito de sofrer quando suas expectativas são frustradas. Mas depois é preciso reagir. Não se feche na dor, não fique paralisada. O importante é seguir em frente. 2. Aproveite para avaliar se alguma coisa de que você gosta muito poderia se tornar uma opção profissional. Quando você se entrega a uma atividade que adora, há mais chances de sucesso. A paixão é um excelente combustível. 3. Acredite no seu potencial. E não hesite em estudar para adquirir novas habilidades se sentir que isso é necessário. 4. É importante romper com velhos padrões de comportamento e abrir-se para novos horizontes. Para tanto, leia mais livros e revistas e vá em busca de conhecimento e de experiências. Converse com pessoas que passaram por situações semelhantes. Enfim, mantenha- se aberta para a fase que virá

Mudei de namorado

Durante dois anos, a divulgadora Silvia Cristina Ruffulo Arditi, 44 anos, viveu um relacionamento que, no fundo, sabia que não ia dar em nada. “Era a história clássica do homem casado que dizia não suportar mais viver com a mulher doente, mas não se separava porque tinha medo de que ela o afastasse dos filhos”, diz Silvia. Na época, ela era comissária de bordo da Varig; o namorado em questão, um piloto da mesma companhia. “Ele me humilhava de todas as formas. Prometia que viria me ver e não aparecia, teve caso com outra comissária...” O romance só acabou quando ela saiu do emprego. “Fiquei na pior, tive que vender o carro para pagar minhas contas, e ele sumiu. Quando eu mais precisava, não me deu o menor apoio. Vi que estava sozinha”, lembra. “Antes dele, eu havia namorado caras bacanas, bonitos, alguns queriam casar. Mas, quando ia ficando sério, eu me desinteressava e os traía. Preferia os complicados, como esse piloto”, diz. “Na minha terapia, entendi que isso era um reflexo de baixa autoestima: eu acreditava que não merecia ser amada.” A luta para se recolocar no mercado de trabalho alimentou seu amor-próprio. Hoje atua como divulgadora de aparelhos auditivos. Sua função é visitar otorrinos para mostrar os equipamentos. “Eles elogiam minha inteligência e facilidade de comunicação. Comecei a ver que eu tinha valor.” Renovada, ela conheceu o atual namorado há um ano e meio. “Ele me aceita como sou, é carinhoso e atencioso. Vivemos uma relação de cumplicidade.”
CONSELHOS DE SILVIA 1. Pare de se “amaldiçoar” dizendo: “Nunca vou encontrar alguém legal”. Abra-se para receber coisas boas que elas aparecem. 2. O fato de haver pouco homem não significa que precise aceitar o primeiro que surgir ou permanecer com alguém que não a satisfaz, imaginando que não encontrará outro. O medo de ficar sozinha leva a escolhas erradas. Calma. Mantenha-se disponível até encontrar um homem que valha a pena.

Fiz as pazes com minha idade

Na virada dos 39 para os 40 anos, a esteticista Elizete Batista, 47, viu seu casamento de 18 anos chegar ao fim. As duas filhas já estavam moças, e as mudanças hormonais indicavam menopausa precoce. O ex se casou outra vez e a nova mulher dele, mais jovem, logo ficou grávida. “Entrei em parafuso. Pensei: ‘Agora acabou mesmo, vou ficar velha e sozinha’. Com humor oscilante, alternava momentos de alegria com outros de tristeza. Tinha insônia. Não estava feliz nem com a minha idade nem com meu corpo”, diz ela. Para tentar virar o jogo, saía todo fim de semana para a balada, bebia para esquecer e sempre arrumava paqueras. Não funcionava. “Na segunda-feira voltava o vazio. Eu estava à beira da depressão”, conta Elizete, que, na época, trabalhava como secretária. Sua insatisfação era geral. Para sair desse estado, resolveu investir em si mesma. Matriculou- se num curso para esteticista, fez um pouco de terapia e procurou um médico para controlar o peso. Chegou a pesar 80 quilos, mas já perdeu 13 com a ajuda de remédios para controlar a ansiedade, reeducação alimentar e academia. Também contribuiu para a estabilidade emocional o novo namorado, que ela conheceu há quatro anos numa sala de bate-papo da internet. “Vivemos quase um casamento, só que morando cada um em sua casa, e estamos bem felizes.”
CONSELHOS DE ELIZETE 1. Não deixe a peteca cair quando se sentir por baixo. Ficar chorando em casa não adianta. É nos momentos de crise que temos que nos cuidar mais. Eu sempre fui vaidosa, e isso me ajudou. Investi em coisas que pudessem me deixar mais bonita e confiante. 2. Arrisque- se um pouco, não tenha medo de experimentar situações novas. Sempre é tempo de aprender e fazer descobertas. Entendi que idade não é limite para nada. Estudar e iniciar outra profissão depois dos 40 para mim foi uma conquista. 3. Não desista do amor. Depois de uma fase sozinha, encontrar meu atual parceiro me fez muito bem.

Copyright © Editora Abril S. A.
Todos os direitos reservados. All rights reserved.

Nenhum comentário:

Counter

♥Luandabela Headline Animator

Postagens populares

Sexualidade

Sexualidade
Bar Aurora & Boteco Ferraz

Subscribe Now: Feed Icon

va